VIDA RIBATEJANA

Estatuto Editorial da revista Vida Ribatejana

A Vida Ribatejana é uma revista de informação generalista vocacionada para o acompanhamento de toda a região Ribatejana, dando particular atenção aos municípios da zona Sul do Ribatejo e do Oeste.

Aposta numa comunicação séria, isenta e plural, que vá de encontro aos anseios e necessidades de informação dos mais de 500 mil habitantes do Ribatejo e do Oeste e das inúmeras comunidades daqui originárias espalhadas pelo território nacional e pelo Mundo.

A Vida Ribatejana compromete-se a seguir e a aplicar todas as regras deontológicas e a tratar todos de igual forma, com equilíbrio e sem distinção de cor política, raça, credo ou estatuto social.

A Vida Ribatejana dará especial atenção aos problemas das comunidades mais desfavorecidas e apoiará dentro das suas possibilidades as iniciativas da sociedade civil que visam eliminar desigualdades e aumentar o progresso social do nosso País.

A Vida Ribatejana aprofundará os grandes temas da vida regional e dará também especial realce às tradições ribatejanas e ao trabalho daqueles que se envolvem na sua preservação.

A Vida Ribatejana dará particular atenção às iniciativas dos jovens e dos agentes culturais e desportivos da região, percebendo que está neles o futuro desta região.


1 comentário:

Paulo Veiga disse...

Quero manifestar aqui o meu profundo desagrado por mais uma autêntica "descarga" de cimento efectuada pela CIMPOR, nas suas instalações em Alhandra, com especial destaque para o dia 6 de Janeiro, prejudicando de um modo geral, a saúde, a vida e os bens dos alhandrenses. Os habitantes da freguesia e arredores merecem mais respeito e sobretudo responsabilidade de uma entidade que apesar de já ter dado muito a Alhandra, de vez em quando resolve lembrar a todos, em redor, que continuamos a viver debaixo de um manto de cimento, que a todos prejudica. No século XXI estas situações não deviam continuar a existir e a CIMPOR tem que ser responsabilizada por todos os danos causados, embora os mais prejudiciais se façam sentir na saúde e consequentemente na qualidade de vida a que os cidadãos têm direito. É tempo de dizer basta, é tempo de reclamar e de exigir mais!

José Rodrigues - Alhandra